voltar

A vespa-da-madeira (Sirex noctilio)

 

A preocupação com a ocorrência de pragas em plantios de Pinus spp. no Brasil tem crescido substancialmente. Isto se deve ao fato de, nos últimos anos, terem sido registrados ataques, tanto de espécies introduzidas, como a adaptação de espécies nativas. Fatores como a ausência de inimigos naturais específicos e a abundância de alimento disponível têm favorecido o aumento populacional destas pragas e, conseqüentemente, ocasionando prejuízos ao silvicultor.

Enquadra-se nesse caso, a ocorrência do inseto Sirex noctilio, pertencente à família Siricidae, popularmente chamada de vespa-da-madeira. Detectada pela primeira vez no Brasil em fevereiro de 1988 e que, em 2002, atingiu cerca de 350 mil hectares de povoamentos de Pinus taeda nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

As iniciativas para controle da vespa-da-madeira, no Brasil, iniciaram logo após a sua detecção, em 1988, quando a Embrapa Florestas iniciou pesquisas para conhecimento dos aspectos bioecológicos do inseto. No início de 1989, pela portaria 031/89 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento, foi instituído o “Programa Nacional de Controle à Vespa-da-madeira (PNCVM) e também criado o Fundo Nacional de Controle à Vespa-da-madeira (FUNCEMA)”.

 

Ciclo biológico da vespa-da-madeira:

Durante a postura, além dos ovos, a fêmea introduz na árvore também os esporos de um fungo simbionte, Amylostereum areolatum e um muco fitotóxico. O fungo e o muco, juntos, são tóxicos à planta e muitas das árvores atacadas podem apresentar clorose das acículas em torno de 10 a 14 dias após o ataque, sendo que o progresso desta clorose depende da intensidade do ataque e da suscetibilidade da árvore hospedeira.

As larvas eclodem cerca de 20 dias após a postura e logo iniciam a sua alimentação, construindo galerias no interior da madeira. A larva não ingere a madeira; ela extrai os nutrientes do fungo, os quais são dissolvidos pela sua saliva.

A maioria dos adultos emerge, normalmente, entre outubro e janeiro, com picos nos meses de novembro e dezembro. Completando seu ciclo biológico em aproximadamente um ano.

 

Como identificar a vespa-da-madeira:

Os insetos adultos variam de 1,0 cm a 3,5 cm de comprimento. Apresentam coloração azul metálica escura, sendo que os machos possuem partes alaranjadas em seu corpo. As fêmeas apresentam um ovipositor, partindo do abdômen, em forma de ferrão de até 2 cm de comprimento.

As larvas possuem coloração creme, formato cilíndrico, fortes mandíbulas denteadas e um espinho supra-anal, o qual a diferencia de outras brocas da madeira.

As pupas são de cor branca e apresentam um tegumento fino e transparente.

 

Como identificar árvores atacadas pela vespa-da-madeira:

As árvores atacadas por Sirex noctilio apresentam os seguintes sintomas:

Respingos de resina: surgem das perfurações feitas pelas fêmeas quando depositam seus ovos.

Amarelecimento da copa: após o ataque, as árvores começam a apresentar uma modificação na coloração das acículas, variando desde um tom amarelado, passando pelo marrom-avermelhado, até a queda das acículas.

Orifícios de emergência: são furos feitos na madeira por onde os adultos emergem.

Manchas azuladas: Manchas azuladas na madeira, causadas pela colonização de um fungo secundário (Botryodiplodia). Essas manchas são visíveis após um corte transversal no tronco da madeira.

Galeria no interior da madeira: As galerias são construídas pelas larvas durante a sua alimentação.

 

Como controlar a vespa-da-madeira:

1 - Realizar desbastes, para evitar a estagnação do plantio e o conseqüente aparecimento de árvores estressadas, susceptíveis ao ataque da praga;

2 – Eliminar restos de desbastes que possam servir de substrato para o desenvolvimento do inseto;

3 – Evitar a realização de poda pelo menos dois meses antes e durante o período de vôo do inseto;

4 – Não transportar madeiras atacadas para áreas que não apresentam a presença do inseto, antes que se tenha feito um tratamento térmico em estufa;

5 – Monitorar a área de plantio anualmente, usando árvores-armadilha, para que a detecção precoce da praga;

6 – Realizar a inoculação do nematóide Deladenus siricidicola, o principal agente de controle biológico da Sirex noctilio.

Perfuração das árvores
Perfuração das árvores Inoculação dos nematóides
barra_inferior_verde

Avenida Rio Branco, 2559, sala 04 - Ana Rech - Caxias do Sul - RS -95060-145- Fone: (054) 3533-6368